Cá estou eu para falar de um assunto que vem martelando minha cabeça( e carteira) : O preço dos livros.

Bate uma vontade imensa de ler algo diferente, um romance talvez…mas não, tem que ser um romance histórico, sempre gosto de um pouco de realidade no meio da ficção. Eis que decido :

Nome da rosa, O

Já conhecia pelo o meu pai, vi no livro de geografia do ano passado e descobri que era citado em uma música que eu gostava muito. Decidi dar uma olhada. Lá vou eu atrás de preços nas principais livrarias da minha cidade, então me deparo a seguinte situação:

– Ill Nome della rosa ( original importado, em italiano) – 32 reais

-O nome da rosa(produzido no Brasil, traduzido) – 59 reais.

Mesmo com a tradução, não deveria ser tão caro assim!  Ah, mas também tem os impostos e costumes do nosso povo…

Fui pesquisar um pouco na internet sobre o assunto e descobri algumas coisinhas:

O mercado consumidor de livros, no Brasil, é muito pequeno comparado à europa e de outros países desenvolvidos.

40% do dinheiro de cada livro vai para a livraria: Significa que, como o mercado é pequeno, a livraria tende a aumentar os preços para poder se sustentar.

Não somos um país desenvolvido e o trabalhador ganha muito mal. Mesmo as pessoas com boa renda cortam os livros por outros tipos de baladas.

Não damos tanto valor à cultura. Meu pai gosta que eu leia livros, mas se sente mal em pagar preços como 59 reais com meus livros *Afinal, já tem uma porrada de livros da escola, que são caros pra cacete*. Acho que dava sim para reduzir o preço se criássemos um público leitor maior, mas olhe para o conteúdo: Imagine Tolkien escrevendo “O hobbit” durante a primeira guerra mundial, acho que ele merece um pouco mais que os 32 reais propostos na livraria. Se não valorizamos essas coisas logo elas se tornarão apenas “luxo” não necessário, podendo ser cortado assim que a coisa apertar.

Tolkien, Seu lindo

O livro é um bem, é uma mercadoria e tem seu valor.Através dos livros é que a cultura de um país foi sendo reconhecida pelos demais, isso ajudou muito a globalização, como veículo propagador de idéias. Sou a favor de preços mais baratos para que facilite o acesso do nosso já deficiente público leitor, mas não pode ser algo “Queima de estoque é pra vender geral”, pois menosprezaria o trabalho e criatividade dos autores em suas obras.

Olá, você!

Publicado: 10/02/2011 por PaperboY em Non-sense

Tchau, (:

NOSSA GENTE EU VOLTEI ME AMEM VENHAM \O/

Brincadeira. Mas eu voltei hoje com um assunto bem polêmico espero que vcs comentem to mt decepcionada vocês abandonaram o blog seus feios que discutimos na sala de aula. Sabe como é, não é? nhem nhem nhem com o professor, nhem nhem nhem com os amigos, mas nada como escrever suas dúvidas o opiniões claras e limpas sem ser interrompida. Por isso vim aqui.

Atualmente, parece que o número de gays e bissexuais aumentou. Quero dizer, não sei se é porque o movimento tomou uma repercusão maior ou se é porque virou modinha. Mas na minha opinião, é porque virou modinha mesmo: diversas vezes pego molecada  de 13 anos de idade se gabando porque é bissexual, quando na verdade nunca nem chegou a ficar com alguém do mesmo sexo. Então eu me pergunto: PORQUE MEU DEUS?

Aí é que tá. Eu queria mesmo saber  o que passa na cabeça das pessoas que fazem isso (por favor, suplico, me expliquem) por fingir serem o que não são. Que mal há em ser só você: não o que você quer ser, nem o que você já foi um dia, mas o que você é hoje,  sem ter medo de ser descriminado? Sinto muito, mas acho realmente uma babaquice. Não ser bissexual, você pode ser, tô nem aí mesmo, a vida é tua e você beija quem você quiser. Mas, mentir pra se enturmar? Isso todo mundo faz, mas em uma proporção menor, tipo “eu já finalizei nfs2 e você??” (OLHA QUEM TE DIZER ISSO TÁ MENTINDO NINGUEM É CAPAZ DE FINALIZAR NEED FOR SPEED 2).

Quando você vê alguém de 13 ou 14 anos diferente de seus amigos (que em maioria são um bando de mauricinhos com dinheiros na carteira pra comprar um ps2 na esquina), você sente até orgulho! Porque o que eu vejo hoje, são todas as pessoas iguais querendo ser diferentes, seguindo uma moda só. O Deus deles devem ser a Aeropostale ou Adidas (com cadarços verdes, claro).  Então, em apelo a uma menina pobre e doce (e mentirosa), peço: são finjam o que vocês não são, ou o que vocês não querem ser, ou o que vocês NÃO TEM IDEIA DO QUE SEJA pra ser parte de uma sociedade tão doente e falsa como a nossa. Sinto muito, mas a verdade é que ser bissexual ou usar um tenis da adidas não vai te salvar de coisa alguma. Se você quer ser diferente, comece pelo seu caráter.

Porque, vou te contar. Vou comprar um Óleo de Peroba pra passar na cara de pau desses que fingem ser o que não são.

Beijos e queijos da Coral. :3

Após dez edições transmitidas pela Rede Globo de Televisão, Big Brother Brasil continua sendo um dos programas mais assistidos no seu horário. O reality show consiste no confinamento de, inicialmente, quatorze participante sem nenhuma ligação com o mundo exterior, sendo eliminados ao longo do “jogo”.

Mesmo sendo considerados por muitos motivo para entretenimento, há poucos que ainda concordam que tal pode ser considerado como uma versão circense do crime sequestro. Os participantes são desafiados a superar provas, que vão de resistência física à resistência mental, muitas vezes sendo comparados a “bobos da corte” com o intuito de divertir o “rei”, que no caso, quem ocupa o papel é o telespectador.

Esperava-se de uma sociedade com uma, supostamente, mentalidade evoluída, que os meios de diversão fossem um tanto (ou muito mais) sadias para todas as idades: livros, filmes ou até programas de tevê com um nível mais alto. Mas, ao longo do tempo, desde a Idade Média (como Gladiadores lutando por suas vidas), o passatempo humano vem através  da humilhação do outro. E apesar do nível do programa ser considerado, por tais poucos, baixo, há quem diga que a recompensa pela disputa vale a pena: Um milhão e meio de reais.

E você, o que acha?

 

NÓS VOLTAMOS JOVENS

Publicado: 24/01/2011 por Coral Bond em Uncategorized

Primeiro, pedimos desculpas.  Nosso querido “Desde Quando!?” foi deixado para as moscas, baratas, esperanças e grilos. Mas, depois de um longo período, e depois de uma grande luta pra convencer o PaperBoy, voltaremos a postar nossas opiniões sobre tudo e sobre o mundo.  Então se preparem, porque como vocês sabem…

tudo tende ao tédio.

 

Beijos e queijos da Coral que se envergonhará desse nome para sempre. Até!

Xenofobia Nacional.

Publicado: 02/11/2010 por DavidCox em Hora de Pensar

Sempre tive  muita vontade se conheçer o sul do Brasil. O vento frio acariciando os pêlos dapele, a influência européia que deixa qualquer amante de história interessado…

Mas não é por isso que vou deixar de gostar de onde nasci. Acho engraçado os sotaques do interior do nordeste tanto quanto acho engraçado os do interior dos Estados Unidos. É engraçado porque é diferente, mas merece respeito.

O Brasil possui uma diversidade cultural gigantesca, poderia facilmente ser dividido em uns 3 ou 4 países. Mas isso me faz gostar mais deste país! Se você vai para a Alemanha, por exemplo, já fica na sua cabeça aquele estereótipo de loiro, alto… Ou para algum país como Coréia, Japão ou China, aquele estereótipo de que todos são iguais pelos cabelos lisos e olhos puxados. Mas no Brasil é diferente, você não consegue pensar num estereótipo, um rótulo para a população brasileira.Pessoas de diversas fisionomias, comportamentos, ideologias, costumes e gostos vêm e vão todos os dias e você acaba se acostumando com tudo isso, e acho isto uma coisa completamente positiva.

O problema é que tanta diferença acaba gerando conflitos às vezes. “Ora, a unica coisa que temos em comum é a nacionalidade… Separação já!” É normal que isso aconteça, acontece em vários outros lugares como Espanha e Alemanha, mas não deixa de ser babaquice.

As regiões sul e sudeste são as mais ricas e desenvolvidas, possuem melhores IDHs e industrialização. E aí? isso só mostra a falha do capitalismo em atender a todos, sempre deixando alguém marginalizado e aumentando a desigualdade social. A história nos mostra que eles sempre foram os queridinhos. Sempre recebiam mais atenção, as coisas se centralizavam nessa região, enquanto as pessoas das regiões mais distantes ficavam de fora dessa “evolução”. Trabalho duro, lutando pela promessa de uma vida melhor, “antes de tudo: um forte”, já dizia Euclides da Cunha.

Parem de dizer que o nordestino é ignorante, controlado. Aqueles que sobressaem a sociedade são aqueles que estudam, e estes podem existir em qualquer lugar.Você não é mais cult por ter uma cultura diferente, costumes diferentes. Pode ter raiva pelo nordestino que rouba teu lugar na Faculdade, ou que é melhor que você na escola, ou que te sacaneou de alguma forma. Mas deixe de ser hipócrita em dizer que o mundo vai ser um lugar melhor sem nordestinos ignorantes, pois você ainda vai existir e todo esforço valeu de nada.

Não rotule, não generalize. Você sabe o quanto é ruim o preconceito quando sofre, então não o faça! Existem pessoas boas, existem pessoas más, existem pessoas que vagam pelo mundo sem saber o que querem, e existem pessoas retardadas que se acham superiores por terem/serem/pertencerem a algo( Que no fundo é apenas um detalhe banal, você vai continuar usando papel higiênico, brigando com seu(a) namorado(a) e chorando na novela das 8 ) e querem direitos extras ou algo do tipo.

Vamos pensar mais um pouquinho né? afinal…

Enquanto a cor da pele for mais importante que o brilho dos olhos, sempre vai existir guerra.( Bob Marley)

Se fôssemos todos iguais a vida  não teria graça (Carole Mendes)

olá? estamos sumidos, eu sei… vocês devem estar com algumas dúvidas, por exemplo:

Existe temperatura mais fria que o zero absoluto?
Por que centenas de milhões de toneladas de carbono somem na atmosfera todos os anos?
Como os genes são controlados?
Como uma célula dá origem a um organismo complexo?
Como o DNA consegue se auto-consertar?
Por que o DNA humano tem largas porções inúteis?
A mente pode existir separada do cérebro?
Quantas espécies de vida existem na Terra?
É possível entender a consciência?

enfim, explicarei tudo agora. Leia o resto deste post »

Então, quebrando o bloqueio mental que nos atacou ultimamente, eu vim postar hoje sobre algo MUITO comentado: Música.

Eu sei, que não adianta falar, que música é que nem olhos, cada um tem os seus (q) – mas não é exatamente sobre a MÚSICA que iremos falar. Iremos falar sobre músicos/pessoas.

É, eu sei.. Você não deve ter entendido ainda, porque até eu percebi que não fui muito clara na questão. Mas enfim.. Outro dia, muitos dias atrás, eu estava folheando a revista Veja e li “Justin Bieber trouxe mais uma coisa má para seu filho: o penteado.” Claro que não eram com essas palavras, e vindo da Veja, podia até ser comentado ironicamente como o cabelo dele era lindo, mas a idéia era essa.

Sabe, eu acho isso errado. Nós falamos que o grupo musical Restart tem músicas ruins (e na minha opinião, são mesmo, mas gosto like eyes) e falamos que eles são gays, e  burros, e mais o diabo a quatro. Poxa,  quem é você pra dizer isso deles, a mãe? Você conviveu a sua vida toda pra conhecê-los tão bem assim? A música pode ser o que for – mas não nos dá o direito de falar mal da personalidade, a qual nós não temos conhecimento.

Então, chegamos ao ponto que eu queria chegar: Respeito. O mínimo que devemos ter pelas pessoas, não importa se ela é feia, gorda, magra, alta, baixa, gay, bissexual, heterossexual, travesti, colorida, desbotada, preto e branca, TANTO FAZ! Respeito é o mínimo sentimento que devemos ter por todos, não só humanos, mas animais, plantas, e tudo que nos rodeia. Então, antes de falar de algum músico, pense se ele nao se veste daquele jeito porque os agentes de marketing deles mandam, ou faça uma pesquisa aprofundada sobre tal pessoa. Não fale sem pensar, porque chega a ser ridículo a falta de respeito que hoje podemos ver no mundo.

Respeito é bom, e todos gostamos.

RIARIARIARIAI

Publicado: 27/09/2010 por PaperboY em Uncategorized
Tags:,

eu ví no: tenso

***

como nós os autores dessa bagaça, estamos com bloqueio mental.. resolvi postar algumas tirinhas que eu ví por aí, só para dar não deixar aqui muito parado, logo a gente volta com as atividades normais.

Abraço,

#avantechile